PREOCUPAÇÕES ECOLÓGICAS


  ÁREAS DE INTERESSE AMBIENTAL EM HOTÉIS

Objectivo: Facultar aos hoteleiros e aos hóspedes um guia prático sobre as principais áreas interesse num hotel amigo do ambiente.


Iluminação, climatização e equipamentos eléctricos em geral
A atenção dos hotéis dirige-se normalmente nesta área para o fornecimento de energia eléctrica, mas também deverá incidir, em menor grau, em lâmpadas de baixo consumo, chaves magnéticas de quartos associadas a sistema de controlo de luzes, sensores de movimento em áreas comuns, painéis solares, células fotovoltaicas (microgeração) ou co-geradores.

Deverá igualmente existir um sistema de gestão ou, no mínimo, de controlo da climatização, bem como uma política de aquisição ou substituição por equipamentos classificados como classe energética A (desde arcas congeladoras, frigoríficos, fornos convectores, máquinas de lavar e secar roupa, calandras eléctricas, etc.).

A informação relativa a todas as medidas de racionalização energética deverá estar acessível, quer para disponível para os hóspedes, quer para os empregados e informação sobre auditorias energéticas, como o nível standard europeu de cinco níveis, poderá ser colocado no website do hotel.


Consumo de água 
É recomendável a instalação de dois níveis de descarga dos autoclismos, bem como de igual modo, a colocação de redutores de caudal nas torneiras e nos chuveiros, com garantia dada pelos fornecedores de que o conforto perceptível pelos hóspedes não sairá prejudicado. Naturalmente, da utilização destes equipamentos será também dado conhecimento aos hóspedes.

Outras boas práticas ambientais consistem numa política de poupança na lavagem de toalhas de casa de banho e de roupa de cama e mesa, daí resultando um menor consumo de água, bem como na instalação de mecanismos de controlo de consumo de água em cozinhas e áreas reservadas ao pessoal.

Um sistema de recolha e reaproveitamento das águas da chuva já pode ser encontrado nalgumas unidades hoteleiras, com visível benefício na rega de jardins e relvados.


Qualidade do ar no interior dos edifícios
É também aconselhável a instalação de unidades de tratamento de ar (UTAs), sistemas mecânicos que asseguram uma adequada ventilação e qualidade do ar interior, para além de facilitarem um controlo preventivo da propagação de bactérias como a legionella pneumophila, que normalmente se encontra em condutas de ventilação e de ar condicionado, em torres de refrigeração, em instalações sanitárias de águas quentes, em depósitos de água,etc.

A desodorização de quartos e áreas públicas poderá ser feita, por exemplo, com folhas de limoeiro ou outros produtos naturais etiquetados como “verdes”.

Igualmente, a desodorização de cozinhas é importante. Há ainda que ter em conta a necessidade de desodorização de algumas áreas específicas, como por exemplo, áreas circundantes de fotocopiadoras.


Serviços e produtos de higiene pessoal
É já comum a organização de reuniões e conferências “verdes” em hotéis, envolvendo a utilização de papel reciclado, quadros de porcelana para marcadores ou electrónicos em vez de cavaletes de papel (flipcharts), dispensadores de água em vez de água engarrafada, frequentemente desperdiçada, etc.

Existem também equipamentos ecológicos aplicáveis na manutenção de piscinas e campos de golfe, bem como no controlo sonoro de nightclubs, bares karaoke, discos, etc.

De igual forma, os veículos do hotel ou empreendimento deverão obedecer às normas europeias 5 ou 6 de controlo de poluição.

Finalmente, deverão ser disponibilizados nos quartos produtos de higiene pessoal com a garantia de que não foram testados em animais e estão embalados em plástico degradável ou papel reciclado.
 


Gestão de resíduos
Os equipamentos de recolha e separação de resíduos sólidos e de baterias são já bastante comuns e todos os hotéis deveriam estar devidamente equipados. É por vezes esquecida a importância da gestão de resíduos que os hotéis deveriam implementar, por forma a diminuir a proliferação de aterros sanitários.

Felizmente, esta gestão racional de resíduos já se verifica em muitas unidades hoteleiras que, inclusivamente, têm em vigor acordos e práticas institucionalizadas com serviços camarários e organizações ambientais especializadas (por exemplo, a recolha e reutilização de tampas de garrafas de plástico).

Igualmente, deverá verificar-se a existência de um programa de reciclagem de óleos para confecção culinária estabelecido com agentes certificados e de equipamentos específicos como carros de andares, dotados de recipientes para separação de resíduos.


Formação e sensibilização
É fundamental que o pessoal seja sensibilizado e treinado em função de objectivos de defesa ambiental, existindo já para esse efeito cursos específicos. 

Essa política permitirá que o pessoal se sinta envolvido e adira aos objectivos de defesa ambiental que a gestão do hotel prossegue, muito particularmente se for incentivada a troca de informação e experiências com o pessoal, hóspedes, comunidade local e outras entidades.


Interacção com outras entidades interessadas
É positivo que exista uma interacção com outras entidades interessadas ou relacionadas com a empresa. Nessa medida, deverá existir, como referência, um quadro ou carta de conformidade ambiental ou uma declaração da Direcção do Hotel expressando um compromisso com uma política de defesa ambiental.

Deverá também verificar-se uma parceria com organizações da comunidade local, nomeadamente através de relações com entidades de solidariedade social e /ou de defesa ambiental, possibilitando aos hóspedes poderem contribuir para a defesa do meio ambiente ou para a preservação da vida selvagem, e, ainda, de relações com redes de compras locais.

Este tipo de informação deverá ser transmitido aos hóspedes, por exemplo na pasta de documentação dos quartos e os certificados ecológicos existentes deverão ser afixados em locais bem visíveis. Também poderão ser disponibilizados recortes de jornais locais relacionados com este tema.

Deverá ser igualmente implementada uma política rigorosa de protecção a deficientes, quer hóspedes quer elementos do pessoal, garantindo a sua circulação em todas as áreas do hotel.

 

Fornecimentos e aquisições ecológicas
É possível economizar papel mediante um software de compras, requisições e facturas electrónicas, devendo estabelecer-se contratos com os fornecedores nestes pressupostos.

De igual modo, deverá acordar-se com os fornecedores um sistema de recolha e reutilização de embalagens e vasilhame.

Deverão ser utilizados na lavandaria, própria ou subcontratada, produtos biodegradáveis e livres de fosfatos.

Finalmente, e sempre que possível, deverão ser utilizados materiais de construção de produção local ou regional.